Arlindo Pinto

AUSÊNCIAS

10 EUR / In stock.

Ausências nos espaços que facilitam a circulação, o consumo e a comunicação, mas que, ao contrário dos “lugares antropológicos”, que privilegiam as dimensões identitárias, históricas e relacionais, são apenas elementos de ligação. São destinados à passagem, não são ambientes de habitação e não requerem que se esteja sempre em contato com eles a ponto de serem criadas relações duradouras.
São “não-lugares”.
Os “não-lugares” emergem num contexto societário caraterizado pela impessoalidade onde todos são tratados com indiferença. Onde o estar “só entre a multidão” adquire o seu pleno significado. Todos são iguais (porque lhes é negada a diferença) e todos são indiferentes aos outros. Os “não-lugares” impõem ao individuo novas formas de solidão. Os espaços são semelhantes e despersonalizados.
Ausências discorre sobre o Homem na sua condição de animal social, ser de afetos, e os relacionamentos que opera com a comunidade em que se insere e com os espaços que ocupa. É uma metáfora que dá expressão à omissão da criação de laços identitários e relacionais entre os humanos e entre estes e o território em que se movimentam, indiferenciados e despersonalizados.
Imagens (aparentemente) vazias que consubstanciam também um discurso sobre as possibilidades da fotografia. Uma fotografia de aparências, que discursa sobre a verdade através da mentira ficcionada das imagens.

Dimensões (C x L x A)21 x 21 cm

Titulo "Ausências"

Autor Arlindo Pinto

Editor Edição de Autor

Páginas 24

Ano de Edição 2015

Exemplares 1ª Edição de 20 cópias.